Capitolio


Conterrânea

30 de agosto 2019

Coluna do Broadcast

Não foi de livre e espontânea vontade que a seguradora alemã Allianz não concordou em pagar R$ 3 bilhões pelas carteiras da SulAmérica. Por trás do “cheque gordo”, havia outro concorrente no caminho: a conterrânea HDI. Durante as negociações, a seguradora fez o que o mercado chama de proposta “não solicitada”. Foi a HDI que ofereceu primeiro os R$ 3 bilhões para levar as carteiras de seguro de automóvel e de ramos patrimoniais da SulAmérica, conforme anúncio na semana passada pela seguradora.

A proposta da Allianz, até então, teria ficado abaixo desse patamar.

Tinha uma pedra. Apesar de o lance da HDI ser maior, a Allianz tinha exclusividade nas conversas com a SulAmérica. Assim, a seguradora pode acompanhar a proposta da rival e arrematar os ativos da companhia da família Larragoiti, que no fim do dia levou a melhor.

Procurada, a HDI diz que está atenta às oportunidades de mercado, mas não comenta rumores. Allianz e SulAmérica não se manifestaram.

Referência: Estado de São Paulo