Capitolio


BB tenta reduzir desconto em oferta de ações

17 de outubro 2019

Coluna do Broadcast

Os coordenadores da oferta subsequente (follow on) do Banco do Brasil (BB) testaram junto com investidores nos últimos dias o preço da ação entre R$ 42 e R$ 43, o que representa desconto entre 2,5% e 5% em relação ao preço do papel de terça-feira, de R$ 44,38. A expectativa é de que o preço comece a ser testado, agora, acima de R$ 43. No pregão de ontem, a ação do BB fechou em R$ 45, em alta de 1,40%. A demanda superava em 50% a oferta. Esse volume tende a crescer, com o procedimento de roadshow e coleta de intenções de investimento. Além disso, há esforço de colocação entre as pessoas físicas, que tem mostrado grande interesse nas ofertas de ações. Os canais de distribuição do próprio BB e da XP Investimentos, um dos coordenadores, trabalham nesse sentido.

Olho na PF. O prospecto prevê que até 30% da oferta possa ser direcionada ao varejo. Há lock-up para este segmento, ou seja, um prazo para que os investidores possam vender suas ações. A vantagem para esse grupo está na prioridade para ficarem com ações em relação àqueles que não aceitarem tal estrutura.

Esforço. Os bancos, contudo, já tentam reduzir o desconto a ser aplicado na venda das ações do BB detidas pela Caixa Econômica Federal, além de papéis que estão na própria tesouraria da instituição financeira.

A oferta seria R$ 1 bilhão maior não fosse o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ter ficado de fora, após falta de consenso na diretoria e quadro do banco para aprovação da operação.

Foco. A ideia dos assessores é diminuir o desconto para algo próximo do que foi visto na oferta da Petrobras em junho, quando a Caixa também estava na ponta vendedora.

Ali, o desconto foi de 1,5%. Além dessas vendas, a Caixa se desfez, via oferta de ações, de uma fatia no ressegurador IRB Brasil Re. Procurado, o Banco do Brasil não comentou. A Caixa também não se pronunciou.

Referência: Estado de São Paulo