Capitolio


Mesmo sem acordo com o Novo, ex-presidente da UnitedHealth tem pretensões políticas

19 de novembro 2019

Claudio Lottenberg diz que cuidar de uma cidade não é o mesmo que administrar uma empresa

Gestão pública A escolha de Filipe Sabará como pré-candidato à Prefeitura de São Paulo pelo partido Novo, anunciada nesta segunda-feira (18), não afastou as pretensões políticas de Claudio Lottenberg, que também era cotado para a vaga. Após deixar a presidência da UnitedHealthcare, dona da Amil, em setembro, o executivo afirma que não quis participar da disputa na legenda de João Amoêdo, mas ainda estuda outras possibilidades de seguir carreira na administração pública.

Trajetórias “Embora exista um alinhamento dos valores do partido [Novo] com aquilo que eu acredito, acho que cuidar de uma cidade, um estado, um país, não é o mesmo que administrar uma empresa”, afirma Lottenberg.

Aptidão Ele cita as recentes transformações políticas na América Latina e diz que liberalismo e mercado têm respostas para as crises, mas há questões imediatas que carecem de capacidade de entendimento e negociação.

Processo seletivo “Lá [no Novo] tem um critério como se fosse uma seleção empresarial. Achei que não é o caminho como eu quero fazer política. Não se trata de novo ou velho”, afirma.

Novos desafios Lottenberg, que ficou por três anos à frente da UnitedHealth e foi presidente do Albert Einstein, entre outros postos, teve experiência pública como secretário de Saúde de São Paulo na gestão de José Serra. Seu nome já apareceu como possível vice da candidatura da deputada Joice Hasselmann (PSL).

PROSA

“Vejo o pessoal com discurso de que o liberalismo vai resolver tudo. Sou liberal, mas há questões que não adianta deixar por conta do mercado.”

Claudio Lottenberg, presidente do conselho deliberativo da Sociedade Beneficente Israelita  Brasileira Albert Einstein

Autor: Joana Cunha
Referência: Folha de São Paulo