Capitolio


iFood amplia seguro para entregadores

27 de dezembro 2019

Cobertura passa a incluir também o período de retorno para casa dos parceiros da startup

Em disputa. Em janeiro, Justiça julgará se parceiro do iFood tem vínculo trabalhista ou não

A startup de entrega de refeições iFood decidiu, no início desta semana, ampliar a cobertura de seguro de acidentes que oferece a seus entregadores. A partir de agora, os parceiros da startup estarão cobertos não só no período em que realizam pedidos, mas também ao retornar para casa. O benefício é uma parceria da startup com a MetLife e a MDS.

Para os entregadores da empresa que utilizam moto, a cobertura do seguro é estendida por mais uma hora e até 30 km de distância do local da última entrega. Já para os parceiros da startup que utilizam bicicletas, patinetes ou fazem entregas a pé, o período de extensão é de duas horas, também num raio de 30 km da entrega.

A cobertura, porém, é restrita aos modais usados para entrega – se o entregador se envolver num acidente de ônibus, por exemplo, ao regressar para casa, não há o benefício. “Entendemos que a cobertura para o ‘retorno para casa’ é uma iniciativa importante para reforçar a nossa parceria com os entregadores e com a segurança no trânsito”, diz Roberto Gandolfo, vice-presidente de logística do iFood, por meio de nota.

O lançamento acontece dois meses depois que o iFood passou a oferecer seguro para seus entregadores em São Paulo – em novembro, a cobertura foi ampliada para todo o País. A disponibilização dos benefícios, porém, surgem em um contexto em que acidentes com entregadores se tornaram frequentes.

Além disso, também ocorre em meio a discussões na Justiça sobre a existência de vínculo empregatício dos parceiros com o iFood. Em dezembro, a 8.ª Vara do Trabalho de São Paulo determinou que os motoboys que prestam serviço à startup de entregas Loggi deveriam ser contratados em regime de CLT.

A decisão acabou sendo suspensa dias depois, mas caso semelhante deve ser julgado em janeiro sobre o iFood, como disse o presidente do Sindicato dos Mensageiros Motociclistas do Estado de São Paulo (Sindimoto), Gil Almeida Santos, ao Estado.

Procurada pela reportagem, a empresa afirma que “o processo do iFood está sob segredo de Justiça e ainda não teve sentença proferida, portanto, a empresa pode se manifestar a respeito do caso apenas nos autos do processo.”

Parceria.

Além de realizar entregas de refeições – foram 26,6 milhões em novembro, segundo a startup –, o iFood também começou a levar itens de supermercado para a casa das pessoas. Em 2020, a meta da empresa é chegar a uma base de mil estabelecimentos parceiros em todo o País.

Autor: Bruno Capelas
Referência: O Estado de S. Paulo