Capitolio


Sobe para 361 número de mortes na China; há 17.205 casos confirmados no país

03 de fevereiro 2020

Só neste domingo houve 57 vítimas fatais a mais que no dia anterior

PEQUIM – O número total de mortes por epidemia de coronavírus na China aumentou para 361 no domingo, 57 a mais que no dia anterior, informou a Comissão Nacional de Saúde.

Segundo o relatório, 56 das novas mortes ocorreram na província de Hubei e uma no município de Chongqing.

O número de novas infecções confirmadas na China aumentou 2.829 no domingo, elevando o total para 17.205.

As Filipinas confirmaram, neste domingo, a primeira morte pelo novo coronavírus fora da China. Trata-se de um chinês de 44 anos que estava internado em Manila. Ele também configura o segundo caso da doença confirmado no país. O vírus já matou 304 pessoas na China e infectou mais de 14,3 mil no país.

Coronavírus: o que se sabe até agora?

Segundo o Departamento de Saúde das Filipinas, o homem morreu no sábado, e estava internado em um hospital da capital filipina desde 25 de janeiro com quadro de pneumonia.O episódio levou o país a adotar restrições mais severas de viagem para filipinos e estrangeiros.

Novas muralhas estão surgindo entre a China e o mundo à medida que o país enfrenta o novo coronavírus em rápido movimento e crescente número de mortos.

No sábado, o Vietnã se tornou o último país a tentar se isolar do país mais populoso do mundo, impedindo todos os voos de e para a China. No total, quase 10 mil vôos foram cancelados desde o surto.

A Austrália se juntou aos Estados Unidos negando temporariamente a entrada de não cidadãos que viajaram recentemente para o país. Há oficialmente oito casos confirmados nos Estados Unidos, incluindo uma pessoa conectada à Universidade de Massachusetts-Boston .

A Nova Zelândia também tomou esta medida neste domingo.

O Japão também disse que proibiria estrangeiros que estavam recentemente na província chinesa no centro do surto ou cujos passaportes foram emitidos lá.

À medida que o número de mortos aumenta e mais países cortam a China, a crise econômica e política causada pelo vírus está se intensificando apenas lá, com as autoridades sob escrutínio por sua lenta resposta inicial.

Referência: O Globo