Capitolio


Alta procura por itens hospitalares na China gera alerta em abastecimento no Brasil

01 de abril 2020

Estados Unidos enviarão 23 aviões para voltar com toneladas de material contra a Covid-19

A informação de que os EUA estão enviando 23 aviões para voltar com toneladas de equipamentos e produtos hospitalares da China nesta semana acendeu a luz amarela em especialistas brasileiros que tentam comprar insumos de empresas do país asiático.

Quem Não Pode

“A notícia mostra que vamos ter sérios problemas de abastecimento”, diz o médico Carlos Morel, ex-presidente da Fiocruz que hoje negocia com empresas do país asiático a importação de insumos para a fundação, vinculada ao Ministério da Saúde, e outros para órgãos do país.

O Meu Primeiro

“O capitalismo selvagem vai se impor. Cada país vai querer se proteger”, diz ele. Morel afirma que “a pressão sobre as empresas chinesas está no nível máximo” e os preços dos insumos médicos estão aumentando freneticamente. “Sobem de um dia para o outro”.

Fica Pra Depois

Morel diz que as companhias chinesas já começaram a avisar que muitos equipamentos, como leitos hospitalares, só poderão ser entregues em junho.

Compra

Os vôos ordenados pela Casa Branca para a China foram noticiados pelo “The New York Times”. O jornal diz que o primeiro avião trouxe 80 toneladas de mercadorias, como 10 milhões de luvas, 1,8 milhão de máscaras, aventais e “milhares de termômetros”.

Quase Nada

A encomenda, diz o NYT, é “uma minúscula parte” do que hospitais dos EUA, já em racionamento, necessitam neste momento.

Quase Tudo

Os EUA vão precisar, segundo estimativas, de 3,5 bilhões de máscaras caso a pandemia dure um ano.

Ordem

Mas há uma fila: a empresa chinesa BYD tem que entregar 40 milhões de máscaras para a Itália antes de atender a demanda norte-americana.​

Autor: Monica Bergamo
Referência: Folha de São Paulo