Capitolio


Coronavírus: Rio já tem fila de espera em UTIs da rede pública

17 de abril 2020

RIO – A cidade do Rio de Janeiro já tem uma fila de pelo menos 37 pacientes à espera de uma vaga no CTI na rede pública. Do total de 619 leitos que a Prefeitura administra pelo SUS, apenas oito estão disponíveis no momento, todas para internação de crianças. Na quarta-feira, havia 548 leitos ocupados.

Os dados constam do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde, do Ministério da Saúde, em um levantamento feito pela reportagem do GLOBO por volta das 20h desta quinta-feira. O cadastro é dinâmico, e os números de leitos costumam variar a todo instante, quando há altas e internações de pacientes em toda a rede.

Sem citar números, a Secretaria Municipal de Saúde negou que tenha lotado suas vagas. Em um balaço no início da noite de quinta, antes do GLOBO ter acesso ao cadastro, a prefeitura afirmava que ainda havia leitos, por exemplo, no Hospital Municipal Ronaldo Gazzolla, na Zona Norte, referência no tratamento contra o coronavírus que deve ganhar dez vagas de UTI nesta sexta. Nesta quinta, a prefeitura bateu recordes de notificações da doença em um só dia (140 novos casos, totalizando 2.659). Os mortos subiram para 195 no total.

Segundo fontes ouvidas pela reportagem, uma agravante da situação é que a cidade fechou 605 leitos na unidade intensiva (entre próprios e conveniados) nos últimos dois anos.

Falta de equipamentos é entrave

Um dos entraves para a expansão de leitos é a falta de respiradores. Nesta quinta, o prefeito Marcelo Crivella contou que tinha cem respiradores em estoque, mas, enquanto a prefeitura não abria novos leitos, os equipamentos foram requisitados pelo Ministério da Saúde unidades em outras regiões. Agora, ele busca reaver os equipamentos. Dos 806 ventiladores mecânicos que a prefeitura comprou na China no fim do ano passado, faltam chegar 726. Destes, apenas 300 devem chegar até o fim de abril.

Além do Gazolla, a prefeitura tem outras duas unidades de referência para o coronavírus: o CER Leblon, há dois dias com seus dez leitos de UTI ocupados; e o Hospital Jesus, especializado em pediatria, em Vila Isabel — lá, sete das das dez UTIs estavam vagas.

Dos hospitais de campanha anunciados, o mais adiantado é o do Riocentro (500 vagas, sendo 100 UTIs). As obras terminam domingo, mas não há um cronograma de entrada em operação desse leitos. Estado, Fiocruz e a Rede D’Or já anunciaram também a abertura de 660 leitos de UTI além de leitos comuns até o fim do mês.

Autor: Luiz Ernesto Magalhães
Referência: O Globo