Capitolio


Aumento de preço de remédio leva discórdia à indústria farmacêutica

08 de junho 2020

Reajuste tinha sido suspenso por dois meses, mas executivo diz que setor pode esperar mais

Receita O aumento anual dos preços dos remédios provocou discórdia na indústria farmacêutica. O assunto já havia irritado o setor em 31 de março, nas primeiras semanas da pandemia, quando o governo decidiu adiar o reajuste por dois meses. Com a expiração do prazo, um executivo com longa carreira no setor, Mario Grieco, resgatou a desavença. Grieco, que já dirigiu Bristol e Pfizer e hoje comanda uma multinacional de Cannabis, diz que a indústria pode suportar mais um período sem elevar preço.

Bula Para Grieco, a indústria farmacêutica deve defender suspensão no reajuste de preço do remédio. E para salvar suas margens, ele sugere que o setor peça redução de imposto na pandemia.

Comprimido “As farmácias estão abertas. Este negócio não sofre como outros que tiveram de fechar as portas. E a demanda ainda aumentou na pandemia. É uma época em que a gente mais precisa de medicamento”, afirma Grieco.

Diagnóstico Para Telma Sales, presidente da Pró-Genéricos, associação dos fabricantes da categoria de medicamentos mais baratos, o reajuste é necessário. O Grupo Farma Brasil, de Reginaldo Arcuri, diz que o aumento anual obedece legislação que regula o setor.

Autor: Joana Cunha
Referência: Folha de São Paulo