Capitolio


Método mais simples e barato de PCR detecta o novo coronavírus, diz estudo da USP

11 de agosto 2020

Pesquisadores calculam que cada teste custaria até R$ 15, enquanto a testagem padrão-ouro custa R$ 70

Pesquisadores do ICB-USP (Instituto de Ciências Biomédicas da USP) mostraram que é possível usar um método mais simples e barato, que não depende de reagentes importados, para detectar de modo confiável a presença de material genético do coronavírus causador da Covid-19 no organismo humano.

Com resultados similares aos do teste mais complexo hoje considerado o “padrão-ouro” por quem está rastreando a pandemia, a adaptação proposta por Edison Luiz Durigon e seus colegas do ICB poderia ser empregada com facilidade em universidades e laboratórios de análises clínicas em cidades de médio porte, o que facilitaria a ampliação da testagem da doença, ainda relativamente escassa no Brasil.

“A gente percebeu que era preciso dar um passo atrás e fazer algo mais simples, condizente com a realidade do país”, explicou Durigon à Folha. “Mostrar que é possível seguir esse caminho sem perder confiabilidade nos resultados pode ajudar não só o Brasil como também outros países da América Latina ou da África, que têm limitações semelhantes às nossas.”

Eles calculam que, nesses moldes, cada teste custaria entre R$ 10 e R$ 15, enquanto a testagem “padrão-ouro” hoje custa R$ 70.

Para saber se uma pessoa está infectada pelo coronavírus Sars-CoV-2 no momento da coleta de amostras, é preciso identificar a presença do RNA viral (equivalente ao DNA humano) no organismo do paciente, o que indica que o vírus está se multiplicando no corpo dela e, portanto, produzindo novas cópias de seu material genético.

Essa identificação é feita com a ajuda de um pequeno pedaço de material genético correspondente ao do vírus, o chamado “primer”, que se liga a um trecho de um dos genes virais e permite que sejam feitas muitas cópias dele, as quais, depois disso, são detectadas em laboratório.

O processo é conhecido genericamente como PCR (sigla inglesa de “reação em cadeia de polimerase”, por causa da molécula de mesmo nome que monta a cadeia bioquímica de material genético). Mas existem diversas formas de PCR, e o método que acabou se tornando o padrão desde os primeiros meses de pandemia é o da RT-qPCR em tempo real, que tem a desvantagem de exigir insumos que não são fabricados no Brasil, aparelhos relativamente caros e pessoal treinado, todos pré-requisitos relativamente raros.

“Notei isso conversando com o próprio pessoal do meu grupo. Trabalho com bastante gente, umas 15 pessoas, e só duas sabiam usar o método”, conta Durigon. Por outro lado, praticamente todos os estudantes de pós-graduação e técnicos de laboratório que trabalham com a área no Brasil aplicam sem dificuldade as formas mais tradicionais de PCR, além de já estarem equipados com termocicladores, as máquinas que esquentam e resfriam as amostras nos ciclos que permitem a cópia do material genético.

Em artigo na revista científica Brazilian Journal of Microbiology, a equipe do ICB publicou dados validando a abordagem, que não mostrou grandes diferenças de precisão em relação à forma mais sofisticada de PCR.

Os pesquisadores da USP também desenvolveram outro formato de teste, baseado na detecção de anticorpos que o organismo produz contra o Sars-CoV-2, que pode indicar tanto contato recente com o vírus quanto o desenvolvimento da imunidade a ele depois do fim da infecção.

Com custo estimado de R$ 20 para cada testagem, a análise de anticorpos foi validada a partir de amostras de 934 pessoas (professores, funcionários e alunos do instituto da USP), das quais 9,3% apresentaram sinais de ter desenvolvido imunidade ao vírus.

Esses participantes continuarão a ser monitorados nos próximos meses, junto um grupo maior de pessoas, na tentativa de saber quanto tempo dura a presença dos anticorpos contra o coronavírus no organismo, diz Luís Carlos de Souza Ferreira, diretor do ICB. Essa informação ainda não está clara — diversos estudos mundo afora indicaram que nem todos os recuperados desenvolvem anticorpos, e outros coronavírus produzem imunidade passageira, na escala de tempo de um ou dois anos.

O teste de anticorpos ainda não está aprovado para uso comercial. Já os protocolos para a forma mais simples de PCR poderiam ser implementados imediatamente a partir da publicação feita pelo grupo de pesquisadores.

Autor: Reinaldo José Lopes
Referência: Folha de São Paulo