Capitolio


Setor de saúde ganha peso na queda do PIB do 1º semestre

03 de setembro 2020

Segmento representa 4,3% da atividade e respondeu por 13,5% da retração de janeiro a junho

As atividades de saúde responderam por 13,5% do tombo histórico de 5,9% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, no primeiro semestre ante igual semestre em 2019. No caso da queda recorde observada na economia de serviços, que também caiu 5,9% no mesmo período, o peso foi ainda maior: o setor contribuiu com 20% da retração. É o que mostra levantamento da Fundação Getulio Vargas (FGV) sobre o assunto, feito com informações do DataSUS (base de dados do Ministério da Saúde) e divulgado de forma exclusiva ao Valor.

No estudo, é possível perceber que o brasileiro ficou temeroso de ir a hospitais e consultórios durante a pandemia e praticamente adiou todas as visitas ao médico não urgentes, resumiu a economista da FGV Juliana Trece, uma das responsáveis pelo levantamento. Para ela, as retrações nas atividades de saúde foram tão intensas, ao término do primeiro semestre, que o setor deve terminar o ano com quedas anuais mínimas de dois dígitos.

Veja mais

Autor: Alessandra Saraiva
Referência: Valor Econômico