Capitolio


Desafio da saúde

13 de outubro 2020

Pais gasta R$ 3,83 por dia por brasileiro com o SUS 

O Brasil possui o maior programa de saúde pública e universal do planeta, celebrou 30 anos da existência do SUS em setembro e prevê na Constituição Federal índices mínimos de investimento no setor por municípios, Estados e União. Infelizmente, esses avanços não conseguem garantir dinheiro suficiente para todos. O gasto diário com a saúde de cada brasileiro – R$ 3,83, conforme revela estudo do Conselho Federal de Medicina (CFM) – é menos que uma passagem de ônibus em Belo Horizonte.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) calcula que 150 milhões de pessoas, ou seja, sete em cada dez brasileiros, dependam de atendimento do SUS. Mas o investimento público per capita no país é dez vezes menor do que o aplicado por países como Canadá e França. E a comparação não é desfavorável apenas em relação a nações mais ricas. Por exemplo, a Argentina, que tem um PIB total três vezes menor que o brasileiro, investe três vezes mais em saúde por cidadão do que aqui.

Com a crise financeira, o brasileiro tem dependido cada vez mais do sistema público. Até julho, em meio à pandemia, 327 mil contratos de planos de saúde particulares foram encerrados. Atualmente, apenas um quinto dos habitantes possui plano de saúde – e, na maioria dos casos, ele é empresarial, ou seja, vinculado ao contrato de trabalho.

Um país que é o terceiro em casos de Covid-19, o quinto em mortes no trânsito e o líder mundial em vítimas de armas de fogo não pode assentar-se sobre os méritos do passado e descuidar dos investimentos em uma área tão essencial como a saúde. Os números do Conselho Federal de Medicina servem de alerta, para os gestores que serão eleitos em novembro, de que o desafio da saúde vai muito além da pandemia atual.

Referência: O Tempo