Capitolio


Lupa

27 de outubro 2020

Na semana passada, a ONG Idec enviou perguntas ao Fleury sobre o novo marketplace Saúde iD, lançado em setembro para reunir prestadores de serviços, armazenar prontuários, vender alimentos saudáveis e outras funções como o uso de algoritmos para medicina preventiva.

Diagnóstico

Além de questionar sobre a coleta de informação dos pacientes e o compartilhamento de dados com farmacêuticas e planos de saúde, o Idec pergunta “o que o Fleury entende por alimentação saudável”. A empresa afirma que tem como princípio a administração responsável dos dados, seguindo a LGPD, e que mantém o sigilo médico.

Autor: Joana Cunha
Referência: Folha de São Paulo