Capitolio


Aquisições do Hapvida ultrapassam R$ 2 bilhões em 2020

10 de novembro 2020

Com forte presença no Norte e Nordeste, a operadora tem investido em plano de expansão por todo o Brasil e desta vez comprou a Premium, por R$ 150 milhões

O grupo Hapvida (HAPV3) assinou a 7ª aquisição deste ano. Desta vez, comprou a operadora de saúde Premium (Brasília e Minas Gerais) por R$ 150 milhões. Em um período de cinco meses, a companhia investiu R$ 2,07 bilhões em novas operações para o plano de expansão nacional. O anúncio aos acionistas foi na manhã de segunda-feira, 8.

Ao incorporar a Premium, a cearense capta uma carteira de 125 mil beneficiários de convênios de saúde localizados majoritariamente nas regiões metropolitanas de Belo Horizonte (65 mil), Brasília (13 mil), Montes Claros (9 mil) e no Triângulo Mineiro (5 mil), os quais são atendidos, atualmente, em rede credenciada.

O superintendente financeiro e de relacionamento com o investidor do Hapvida, Bruno Cals, explica que a aquisição complementa a compra anterior e amplia a infraestrutura da empresa na região. “Desde a nossa abertura de capital, em 2018, estamos trabalhando na expansão e pretendemos continuar analisando oportunidades. O mercado da saúde suplementar ainda é muito pulverizado e isso dá, dentro do contexto do nosso modelo de negócio, oportunidade de consolidação”, diz. “Continuaremos trabalhando nos investimentos orgânicos e aquisições para dar continuidade ao ciclo de crescimento”, projeta.

Questionado se há planos para o Nordeste, onde tem forte presença, Bruno disse que “sempre há oportunidade”, citando os interiores do Ceará e da Bahia, onde houve ampliação da rede. Em período de silêncio, a empresa não pode divulgar novos investimentos.

O economista e professor da Universidade de Fortaleza (Unifor), Allisson Martins, explica que, quando a empresa abre capital, boa parte dos recursos alavancados pelo IPO tendem a ser alocados para a ampliação. “O objetivo é aumentar escala, base de clientes e market share (participação de mercado). Também tem uma questão econômica e financeira que é de ganhos de sinergia”, aponta. “Isso significa juntar toda a capacidade mais os benefícios da empresa que foi adquirida e resultar numa boa soma, trazendo eficiência econômica para o negócio”, detalha.

A última aquisição atingiu cerca de 3% do mercado da região metropolitana de Belo Horizonte. Aproximadamente 93% dos clientes têm planos coletivos (tíquete médio de R$ 130) e o restante em modalidades individuais, com valor médio de R$ 200. Nos últimos 12 meses (base junho de 2020), a Premium contabilizou receita total de R$ 143 milhões e sinistralidade consolidada de aproximadamente 78%.

Além disso, tem 10 mil beneficiários de planos odontológicos, sendo 5 mil localizados na região metropolitana de Belo Horizonte e 4 mil em Brasília. A rede própria terá quatro hospitais e sete clínicas de atendimento primário, advindas do Grupo Promed e Hospital Mário Palmério, em Uberaba (MG). Outro hospital está em fase de construção, em Uberlândia (MG), com inauguração prevista para o segundo semestre de 2021. Em setembro, o Hapvida havia comprado a assistência de saúde Plamehg e o Hospital Nossa Senhora Aparecida. Juntas, as operações totalizaram R$ 29 milhões.

Bolsa

Em abril de 2018, o Hapvida estreava na Bolsa de Valores ofertando, 93,9 milhões de ações.

Referência: O Povo