Capitolio


Falta de médicos especializados tem gerado desperdício de medicamentos, diz presidente de associação

31 de março 2021

Suzana Lobo afirma que Brasil deveria ter 40 mil intensivistas, mas tem 7.100

A presidente da Amib (Associação de Medicina Intensiva Brasileira), Suzana Lobo, afirma que a falta de médicos especializados em UTIs tem impactado no desperdício de medicamentos e em problemas no atendimento.

A estimativa, segundo ela, é que o Brasil tenha cerca de 7.100 médicos intensivistas, mas o número ideal seria de 40 mil profissionais.

Ela também diz que a abertura de novos leitos de UTI não resolve o problema uma vez que não há profissionais no mercado. “O que precisa melhorar é a eficiência na utilização dos recursos”, diz a médica. O governo federal autorizou a abertura de 952 novas vagas nesta terça (30).

A médica defende a utilização do protocolo de triagem de pacientes para enfrentar a falta de médicos e os baixos estoques de medicamentos. O Painel mostrou no domingo (28) os parâmetros discutidos por cidades para escolher quais pacientes vão ter acesso e quais vão ter atendimento paliativo.

Referência: Folha de São Paulo