Capitolio


Caixa já registra demanda suficiente para fazer IPO de holding de seguros

27 de abril 2021

Abertura de capital da Caixa Seguridade pode movimentar de R$ 4,198 bilhões a R$ 6,5 bilhões, dependendo da faixa de preço; IPO foi paralisado devido à pandemia e retomado neste ano

A Caixa Seguridade, holding de seguros da Caixa Econômica Federal, já teria em mãos demanda suficiente para precificar a sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) no piso da faixa indicativa, que vai de R$ 9,33 a R$ 12,67, apurou o Estadão/Broadcast. O banco trabalha para aumentar o valor das ações, dizem fontes de mercado, na condição de anonimato. O martelo será batido nesta terça-feira, 27, quando a companhia fixa o preço dos papéis, rumo à Bolsa brasileira (B3).

No piso da faixa indicativa, a Caixa Seguridade teria demanda equivalente a três vezes a oferta para o seu IPO no público de varejo e cerca de duas vezes junto a investidores institucionais, de acordo com fontes de mercado. Além disso, o banco público, que controla a holding, também conseguiu atingir os 10% da oferta que destinou a seus funcionários

Junto aos clientes private, aqueles de alta renda, o interesse, considerando o piso da ação, chega a cinco vezes a oferta, afirmam fontes de mercado.

O objetivo da Caixa, conforme prospecto, é vender 50% da oferta ao varejo. Desses, 10% são para funcionários do banco público.

No piso da faixa, de R$ 9,33, o IPO da Caixa Seguridade pode movimentar R$ 4,198 bilhões, subindo a R$ 4,828 bilhões, com o lote adicional. Considerando o ponto médio da faixa indicativa, de R$ 11,00, o IPO da Caixa Seguridade pode movimentar até R$ 4,950 bilhões, avaliando a companhia em R$ 33 bilhões. No topo da faixa, de R$ 12,67 por ação, a oferta pode chegar a R$ 5,7 bilhões. Se levado em conta também o lote adicional, a cifra subiria a R$ 6,5 bilhões.

O IPO da Caixa Seguridade foi paralisado em meio à pandemia e retomado este ano. A oferta está sendo conduzida pelos bancos Morgan Stanley, Bank of America (BofA), Credit Suisse, Itaú BBA, UBS BB, além da própria Caixa e do Banco do Brasil, que focaram na oferta ao varejo.

Como a operação será secundária, os recursos captados irão para o caixa do banco. O IPO da Caixa Seguridade é o primeiro negócio que a instituição pública terá listado na Bolsa brasileira.

O início das negociações das ações está previsto para a próxima quinta-feira, dia 29 de abril. Procurada, a Caixa não comentou o assunto.

Autor: Aline Bronzati
Referência: Estadão on-line