Capitolio


Investigações incluem desvios e manipulações

29 de abril 2021

Um dos membros da antiga diretoria do IRB Brasil Re, Fernando Passos deixou a cadeira há pouco mais de um ano, em meio a maior crise de credibilidade dos 70 anos de história do ressegurador. A IRB chegou a divulgar que o megainvestidor Warren Buffett investia no negócio, mas o gestor americano desmentiu isso em público.

O IRB também sofreu fiscalização especial da Superintendência de Seguros Privados (Susep). Depois de investigações e de trabalho da atual administração, a companhia apresentou representação criminal ao Ministério Público Federal do Rio de Janeiro â o processo está em andamento. A CVM também abriu inquéritos para apurar irregularidades.

Investigações internas do IRB apontaram que o antigo CEO, José Carlos Cardoso, e o então vice-presidente de finanças (CFO), Fernando Passos, teriam se apropriado de cerca de R$ 60 milhões em forma de bônus pela venda de imóveis. Além disso, teriam recomprado um lote de ações, de R$ 100 milhões, acima do limite permitido pelo conselho.

Conduzida pela KPMG e o escritório de advocacia Felsberg, a varredura concluiu que houve a divulgação de informação falsa. Passos também foi alvo de investigações por irregularidades durante a sua gestão no Banco Nordeste (BNB), entre os anos de 2012 e 2013.

Autor: Aline Brontazi
Referência: Estado de São Paulo