Capitolio


Após Covid: pacientes sofrem com doenças que nunca tiveram

17 de junho 2021

Pesquisa com 2 milhões de americanos mostra que 23% apresentam sintomas como dores crônicas, dificuldades respiratórias e hipertensão

Após a recuperação da Covid-19, centenas de milhares nos Estados Unidos procuraram atendimento médico para tratar problemas de saúde que não tinham sido diagnosticados antes de serem infectados com o novo coronavírus, de acordo com o maior estudo até o momento sobre sintomas de longo prazo em pacientes com Covid-19, a chamada “pós-Covid”.

Rastreando os registros de seguro de saúde de quase 2 milhões de americanos pessoas nos Estados Unidos que contraíram o coronavírus no ano passado, a pesquisa descobriu que um mês ou mais após a infecção, quase um quarto — 23% — deles procuraram tratamento médico para novas doenças.

Os afetados foram de todas as idades, incluindo crianças. Seus novos problemas de saúde mais comuns eram dores, inclusive nos nervos e músculos; dificuldades respiratórias; colesterol alto; mal-estar e fadiga; e hipertensão. Outros problemas incluíram sintomas intestinais; enxaquecas; problemas de pele; anormalidades cardíacas; distúrbios do sono; e condições de saúde mental, como ansiedade e depressão.

Os problemas de saúde pós-Covid-19 eram comuns mesmo entre as pessoas que não adoeceram gravemente com o vírus, concluiu o estudo. Enquanto quase metade dos pacientes hospitalizados por Covid-19 tiveram problemas médicos subsequentes, o mesmo ocorreu com 27% das pessoas que apresentaram sintomas leves ou moderados e 19% das pessoas que se disseram assintomáticas.

— Uma coisa que nos surpreendeu foi a grande porcentagem de pacientes assintomáticos que estão nessa categoria de Covid longa — diz Robin Gelburd, presidente da FAIR Health, uma organização sem fins lucrativos que conduziu o estudo com base no que afirma ser o maior banco de dados de reclamações de seguros privados de saúde do país.

Mais da metade dos 1.959.982 pacientes cujos prontuários foram avaliados não relataram sintomas de infecção por coronavírus. Cerca de 40% apresentavam sintomas, mas não exigiam hospitalização, incluindo 1% cujo único sintoma era a perda do paladar ou do olfato; apenas 5% foram hospitalizados.

Gelburd disse que é importante enfatizar o fato de que pessoas assintomáticas podem ter sintomas pós-Covid, para que os pacientes e médicos possam saber e considerar a possibilidade de que alguns problemas de saúde possam realmente ser consequências do coronavírus.

— Há algumas pessoas que podem nem saber que tiveram Covid-19 — disse Gelburd. — Mas se continuarem a apresentar algumas dessas condições que são incomuns em seu histórico de saúde, pode valer a pena uma investigação mais aprofundada por parte do profissional médico com quem estão trabalhando.

O relatório analisou registros de pessoas com diagnóstico de Covid-19 entre fevereiro e dezembro de 2020, rastreando-as até fevereiro de 2021. A pesquisa descobriu que 454.477 pessoas consultaram profissionais de saúde para sintomas 30 dias ou mais após a infecção. A FAIR Health disse que a análise foi avaliada por um revisor acadêmico independente, mas não foi formalmente revisada por pares.

— A força deste estudo é realmente seu tamanho e sua capacidade de olhar através da gama de gravidade da doença em uma diversidade de grupos de idade — disse Helen Chu, professora associada de medicina e doenças infecciosas da Escola de Medicina da Universidade de Washington, que não participou do relatório. — Este é um estudo difícil de fazer com tantos dados.

O relatório “deixa claro que a Covid longa pode afetar quase todos os sistemas de órgãos”, disse Ziyad Al-Aly, chefe do serviço de pesquisa e desenvolvimento do VA St. Louis Health Care System, também não envolvido no novo estudo.

— Algumas dessas manifestações são condições crônicas que durarão por toda a vida e marcarão para sempre alguns indivíduos e famílias — acrescentou Al-Aly, que foi autor de um grande estudo publicado em abril sobre sintomas persistentes em pacientes com Covid-19 no Departamento de Veteranos Assuntos do sistema de saúde.

Sintomas pós-Covid-19

No novo estudo, o problema mais comum para o qual os pacientes procuraram atendimento médico foi a dor — incluindo inflamação dos nervos e dores e dores associadas a nervos e músculos —  que foi relatado por mais de 5% dos pacientes ou quase 100 mil pessoas, mais de um quinto daqueles que relataram problemas após contrair o novo coronavírus. Dificuldades respiratórias, incluindo falta de ar, foram experimentadas por 3,5% dos pacientes.

Quase 3% dos pacientes procuraram tratamento para sintomas que foram rotulados com códigos de diagnóstico para mal-estar e fadiga, uma categoria de longo alcance que poderia incluir problemas como névoa cerebral e exaustão que piora após atividade física ou mental – efeitos que foram relatados por muitos pessoas com Covid-19 longa.

Outros novos problemas para os pacientes, especialmente adultos na faixa dos 40 e 50 anos, incluíram colesterol alto, diagnosticado em 3% de todos os pacientes, e hipertensão, diagnosticada em 2,4%, disse o relatório. Al-Aly aponta que tais condições de saúde, que não têm sido comumente consideradas efeitos colaterais do vírus, tornam “cada vez mais claro que pós-Covid ou Covid longa tem uma assinatura metabólica marcada por desarranjos na maquinaria metabólica”.

Relativamente poucas mortes — 594 — ocorreram 30 dias ou mais pós-coronavírus, e a maioria ocorreu entre pessoas que foram hospitalizadas por causa da infecção pela doença, constatou o relatório.

Limitações do estudo

O estudo, como muitos envolvendo registros eletrônicos, abordou apenas alguns aspectos do cenário pós-Covid. Não disse quando os sintomas dos pacientes surgiram ou por quanto tempo os problemas persistiram, e não avaliou exatamente quando após a infecção os pacientes procuraram ajuda médica, apenas que foi 30 dias ou mais.

O banco de dados incluía apenas pessoas com seguro de saúde privado ou Medicare Advantage, não aquelas não seguradas ou cobertas pelo Medicare Partes A, B e D, Medicaid ou outros programas de saúde do governo. Além disso, os códigos de diagnóstico em registros eletrônicos são “tão bons quanto o que é documentado pelo provedor que atendeu o paciente”, disse Chu, coautor de um estudo menor sobre sintomas pós-Covid entre pacientes da Universidade de Washington.

Também é possível que algumas pessoas classificadas como tendo infecções assintomáticas por coronavírus desenvolveram sintomas após o teste ser positivo. E algumas pessoas que receberam o primeiro diagnóstico de um problema médico como hipertensão ou colesterol alto pós-Covid podem ter tido esses problemas anteriormente, mas nunca procuraram ou receberam tratamento.

Outra limitação do estudo é que ele não comparou pessoas que tinham Covid-19 com aquelas que não tinham, ou seja, não fica claro se as taxas de sintomas após contrair o vírus eram maiores do que em uma população mais geral. O estudo de Al-Aly, que fez essa comparação, descobriu que entre um e seis meses após serem infectados com o coronavírus, os pacientes que tiveram a doença apresentaram um risco 60% maior de morte e uma chance 20% maior de necessitar de atendimento médico ambulatorial do que as pessoas que não foram infectadas.

No geral, disseram os especialistas, as descobertas do relatório ressaltam a natureza ampla e variada dos sintomas pós-Covid.

— Pessoas com o vírus longo precisam de cuidados multidisciplinares —diz Al-Aly. E nossos sistemas de saúde devem se adaptar a essa realidade e desenvolver capacidade para lidar com esses pacientes.

Autor: Pam Belluck
Referência: O Globo