Capitolio


CNseg contribui para consulta pública da B3 sobre o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE)

17 de junho 2021

Passados 16 anos da criação do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), a B3 pretende organizar nesse ano uma ampla reforma em sua metodologia. O ISE – que atualmente reúne 46 ações de 39 companhias – é uma ferramenta para análise comparativa da performance das empresas listadas na B3 sob o aspecto da sustentabilidade corporativa. Desde a sua criação, em 2005, o ISE B3 apresentou rentabilidade de +294,73% contra +245,06% do Ibovespa. No mesmo período, o ISE B3 teve ainda menor volatilidade: 25,62% em relação a 28,10% do Ibovespa.

Como entidade representativa do setor de seguros, a Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg) encaminhou ajustes sobre o novo questionário proposto para as seguradoras. Por meio da Comissão de Integração ASG, as empresas discutiram e validaram posicionamento setorial a favor da reforma do ISE B3, indicando alterações e modificações, dentre elas a de que o questionário reflita na prática as especificidades que compõe o Setor Segurador, – Segmentos de Danos e Responsabilidade, de Seguro de Pessoas, de Previdência Complementar, de Saúde Suplementar e de Capitalização – em razão das distintas políticas de subscrição de risco em cada segmento. Entre as empresas que possuem atuação no Setor de Seguros, são representadas pela CNseg e estão listadas na B3 destacam-se: Alfa Seguradora, BB Seguros, Caixa Seguros, Cia. de Seguros Aliança da Bahia, Porto Seguro e SulAmérica.

Apesar de bons números, o ISE é constantemente criticado por investidores e especialistas pela presença de práticas de “green washing” entre os papéis das empresas que compõem o índice e pela falta de transparência de critérios para inclusão ou exclusão das ações listadas.

Com vistas a sanar essa percepção, a B3 pôs em consulta pública a minuta de um novo questionário para reformular a metodologia de avaliação e seleção das empresas candidatas à carteira do índice. Além disso, a consulta pretende reestruturar formas de comunicação e apresentação dos resultados desse processo para que ele seja setorizado de acordo com o grau de materialidade dos temas a cada segmento, corroborando para maior comparabilidade entre as empresas.

Referência: CNseg – Superintendência-Executiva de Comunicação e Imprensa