Capitolio


Insurtech: aliada ou concorrente?

29 de julho 2021

Combinação das palavras insurance (seguro) e technology (tecnologia), as insurtechs são parte importante para o futuro do setor de seguros. A criação dessas startups é um movimento recente, mas já se mostra relevante. Não à toa, vem sendo puxado pelo próprio regulador, por entender que essas novas empresas contribuem para a popularização do seguro e a redução de custos, além da transformação da cultura do seguro do brasileiro, ainda incipiente.

A tecnologia trazida pelas insurtechs é o grande diferencial, ao agregar inovação e agilidade para um setor tradicional, facilitando a vida dos clientes. Oferece mais: permite customizar o que pode ser oferecido. Os processos tecnológicos possibilitam coletar cada vez mais dados, que, aliados à inteligência artificial, respeitada a legislação de proteção de dados, detectam mais informações sobre os perfis que consomem seguros, ajudando a aumentar a oferta de serviços.

Esse é um caminho sem volta, e terão sucesso aqueles que souberem aliar a experiência e a solidez das seguradoras com o dinamismo e as novidades trazidas pelas insurtechs. Não há uma competição, mas sim uma complementaridade que precisa ser explorada e que vem colaborar para o crescimento das empresas e do setor como um todo. Tanto que quase metade das insurtechs presentes no Brasil (47,8%) está trabalhando em parceria com as seguradoras, resolvendo problemas de eficiência do mercado, como revela estudo da KPM em parceria com a Distrito.

De fato, as insurtechs têm um papel importante para a redução dos custos e da burocracia, a popularização e o acesso ao seguro no Brasil. Essa mesma movimentação foi vista na indústria financeira. Muitas dúvidas surgiram sobre a relação entre as fintechs e os bancos. No começo, muitos achavam que essas startups eram uma ameaça para as grandes instituições. O que se tem visto são as duas frentes unindo forças para entregar um serviço e um produto de melhor qualidade aos clientes. No segmento segurador, não deve ser diferente.

*Diretor-executivo comercial do Grupo Sabemi

Autor: Leandro de Carvalho Nunes*
Referência: Zero Hora