Capitolio


Seguros protegem empresas de catástrofes, roubos e ataques cibernéticos

05 de outubro 2021

Antes de contratar, empreendedor deve analisar riscos do negócio e ficar atento às coberturas inclusas

Micro e pequenos empreendedores têm à disposição uma ampla variedade de seguros que ajudam a proteger o negócio contra eventos que vão de catástrofes naturais a ataques de hackers.

Antes da contratação, porém, é necessário avaliar o porte da empresa, o número de funcionários e o tipo de atividade. Esses aspectos influem nos riscos ligados ao negócio e no tipo de cobertura.

“É importante realizar uma análise interna sobre as preocupações relacionadas às atividades e o apetite de risco do empreendedor. Ela é fundamental para evitar a contratação de seguros além do necessário ou a não cobertura de um risco importante”, diz Anna Mello, sócia do escritório Trench Rossi Watanabe.

Um bom ponto de partida é o seguro contra incêndio, o único de contratação obrigatória, afirma Jarbas Medeiros, presidente da Comissão de Riscos Patrimoniais Massificados da FenSeg (Federação Nacional de Seguros Gerais).

“Embora seja uma cobertura de baixa incidência, quando ocorre costuma causar grandes prejuízos”, diz ele.

A cobertura contra incêndio costuma ser oferecida dentro do chamado seguro empresarial, que pode ser acionado quando o negócio se vê impedido de funcionar de forma integral ou parcial por causa de danos ao estabelecimento.

Esses contratos geralmente incluem proteção contra vários tipos de imprevistos, como furto, roubo e danos elétricos (quando falhas no fornecimento de energia causam avarias a equipamentos).

“As seguradoras têm oferecido possibilidades de customização”, afirma Mello.

Medeiros recomenda que o empresário também contrate um seguro de lucros cessantes. Esse produto prevê que a seguradora pague uma quantia predeterminada para cobrir as despesas fixas e o lucro líquido perdido durante o período em que a empresa ficou impedida de funcionar em função de algum acontecimento extraordinário.

Outra cobertura importante oferecida dentro do seguro empresarial é a de responsabilidade civil. “Ela protege o negócio contra reclamações de terceiros por danos sofridos em consequência da operação da empresa. Por exemplo, se uma pessoa se alimenta em um restaurante e passa mal”, afirma Medeiros.

Há ainda seguros específicos para algumas atividades. Em empresas que realizam entregas, é possível contratar uma cobertura de delivery, com a qual o empresário fica protegido contra roubos e danos aos itens transportados.

Negócios que operam online ou que mantêm bases de dados com informações dos clientes podem considerar ter um seguro contra riscos cibernéticos, que protege em caso de hackeamento de sistemas e vazamentos de dados.

Desde agosto deste ano, empresas podem ser punidas por descumprir a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) —as penalidades vão desde advertência até aplicação de multa.

Independentemente do produto escolhido, Mello alerta que algumas cláusulas merecem uma leitura atenta, como a de riscos excluídos, na qual a seguradora elenca as situações não cobertas. As disposições contratuais sobre cancelamento e o procedimento de notificação de sinistros também merecem atenção. É preciso conhecê-las bem para evitar a perda da cobertura.

Autor: Diana Lott
Referência: Folha de São Paulo