Capitolio


Inquilino

12 de outubro 2021

Painel S.A.

Com a escalada do IGP-M, o valor do aluguel de um dos hospitais da Rede D’Or São Luiz em São Paulo ultrapassou R$ 2,6 milhões ao mês a partir de julho, o que levou a empresa a entrar na Justiça pedindo a substituição do índice para o IPC-Fipe no contrato. Na semana passada, a Justiça negou o pedido, mas a Rede D’Or deverá recorrer. Pelo IGP-M, que superou 37% no acumulado de 12 meses no pico de maio, o reajuste ficou em mais de R$ 711 mil na unidade Anália Franco da rede.

No bolso

Na decisão, o juiz Caramuru Francisco, da 18 a Vara Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, afirmou que não houve “qualquer onerosidade excessiva” e “os problemas econômicos atualmente existentes são comuns a todos os sujeitos, inclusive o próprio locador”.

Terreno

A empresa afirma que o hospital continuará no mesmo endereço. “O IGP-M vem sendo amplamente questionado na Justiça como índice de correção dos aluguéis. Diversas ações de vários setores produtivos estão em curso, e há um espectro de decisões judiciais já promovendo a substituição do IGP-M pelo IPCA na correção dos aluguéis. No caso em questão, cabe recurso”, diz o hospital.

Reajuste

A curva da variação do IGP-M vem caindo desde maio, chegando, em setembro, ao patamar próximo de 25% em 12 meses, ainda alto se comparado aos cerca de 18% do mesmo mês de 2020.

12