Capitolio


O que deu errado para a UnitedHealth

23 de fevereiro 2022

Suspensão da venda da carteira de planos individuais é problema mais recente da operação no Brasil

Há uma década no Brasil, a americana UnitedHealth Group (UHG), maior empresa de saúde do mundo, não deslanchou desde que chegou ao país no fim de 2012, quando comprou 90% da operadora de planos de saúde Amil por US$4,9 bilhões.

Entre 2012 e 2021, a operadora apurou resultados negativos em seis anos. Se somados, o prejuízo seria de R$ 1,7 bilhão. Já o lucro acumulado nesse período é de apenas R$ 712 milhões.

Essa performance está muito abaixo do esperado para uma companhia que chegou ao Brasil com uma expectativa alta. Na época da aquisição da Amil, o então CEO da UnitedHealth Group, Stephen J. Hemsley, informou em comunicado que a aquisição era “a oportunidade de crescimento e criação de valor mais atraente que vimos em anos” diante da combinação de um país com 200 milhões de pessoas, baixo número de usuários com plano de saúde, liderança da Amil no setor e a “experiência e capacidade do UnitedHealth Group desenvolvidas nas últimas três décadas”.

Veja mais

Autor: Beth Koike
Referência: Valor Econômico