Capitolio


Governo quer criar o open health

22 de março 2022

A proposta parece boa, mas como fazer isso se o sistema de saúde brasileiro é desigual e cheio de falhas?

Depois do open banking, sistema que permite que os dados dos usuários de bancos sejam compartilhados entre as instituições, agora é a vez do open health. O Ministério da Saúde tem acelerado as discussões para tornar possível a troca de informações dos pacientes entre convênios, laboratórios, hospitais e outros serviços. No mundo ideal, cada pessoa teria uma espécie de carteira de saúde digital com todo o seu histórico médico. Em uma consulta, o médico acessaria, pelo sistema eletrônico, tudo o que precisa saber de antemão do paciente – doenças pregressas e outras informações que poderiam assegurar o melhor atendimento possível. Na Estônia, um dos países mais tecnológicos do mundo, é assim. De fato, a proposta parece boa, mas como fazer isso se o sistema de saúde brasileiro é desigual e cheio de falhas? Não custa lembrar: segundo o Instituto de Estudos de Saúde Complementar (IESS), apenas 24% da população brasileira têm planos privados.

Referência: Estado de Minas