Capitolio


Seguro condomínio atinge recorde em 2023

07 de agosto 2023 Paulo Araripe Jr.

De contratação obrigatória, produto bateu R$ 245 milhões em arrecadação com aquecimento do mercado imobiliário

O seguro condomínio atingiu a marca dos R$ 245 milhões de arrecadação nos cinco primeiros meses de 2023. Segundo levantamento da CNseg (Confederação Nacional das Seguradoras), se comparado a 2014, ano de início do estudo, o número representa alta de 127%.

O pagamento de indenizações, de janeiro a maio, também cresceu, passando dos R$ 89,7 milhões de 2020 para mais de R$ 160 milhões neste ano. São Paulo foi o estado que mais arrecadou e indenizou.

O resultado é atribuído a dois fatores: o aquecimento do mercado imobiliário e o aumento do valor das indenizações pagas pelas seguradoras desde a pandemia, o que resultou em ajustes nos preços.

“O aumento do custo do seguro é por conta da elevação dos índices de valores indenizados pelas seguradoras, motivando reajustes nos preços do seguro para equilíbrio dos resultados”, diz Magda Truvilhano, vice-presidente da Comissão de Riscos Patrimoniais Massificados da FenSeg (Federação Nacional de Seguros Gerais).

O seguro condomínio é obrigatório para edifícios residenciais e comerciais, e cobre o prédio e suas áreas comuns assim como seus bens e equipamentos. O responsável pela contratação é o síndico.

A taxa é considerada despesa ordinária do condomínio, paga pelos proprietários ou inquilinos das unidades. O valor depende de vários aspectos, como à quantidade de unidades, torres e equipamentos e do que existe nas áreas comuns.

Normalmente, o seguro condomínio não inclui a unidade do morador ou os bens dentro do apartamento ou da casa, a menos que haja uma cobertura específica oferecida por algumas seguradoras.

Para ter assegurado o que está dentro do imóvel, o morador tem de contratar um seguro por conta própria, o residencial. Na capital paulista, para um apartamento de 100 m 2 o custo é, em média, de R$ 450 por ano.

Truvilhano diz que o seguro ficou mais caro desde a pandemia, porque os moradores asam mais o condomínio. “As pessoas estão usando mais os elevadores, as áreas comuns e os aparelhos elétricos, o que aumenta a chance de sinistros como incêndios”, conta.

A consequência do aumento das ocorrências, afirma a especialista, é um seguro mais caro. “É um dos fatores de influência no aumento da arrecadação de prêmios pelo mercado. A elevação do preço do seguro é motivada ainda pela inflação e pelos custos de reconstrução, mão de obra e até mesmo custo de reposição de bens do condomínio”, diz.

Somente em maio de 2023, o pagamento de indenização chegou, nacionalmente, a R$ 31,5 milhões. Além de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro são os estados que mais indenizaram neste ano.

==

Tipos de cobertura

Simples Cobre incêndio, queda de raio e aeronave dentro do terreno e explosão de qualquer natureza; pode agregar coberturas adicionais.

Ampla Abrange danos à estrutura do prédio, por meio da contratação de uma única cobertura que contempla garantias destinadas a proteger a edificação, podendo ainda agregar coberturas devida de funcionários e responsabilidade civil.

Autor: Ana Paula Branco
Referência: Folha de São Paulo