Capitolio


Opinião

Ainda sobre os custos da saúde suplementar

19 de junho 2023 Roberto Parenzi

Tenho falado sempre nos custos que afetam os planos de saúde, abordando a sinistralidade elevada, o triângulo constituído pelas fraudes, judicialização e multas, principalmente.

Mas existe um outro lado não abordado até aqui, mas que também representa um risco elevadíssimo à sustentabilidade.

Falamos da linha de cuidados médicos que envolve prestadores de serviços, fornecedores de medicamentos e materiais, e até mesmo da própria ANS com as constantes atualizações do Rol de Procedimentos, sem a necessária contrapartida ou previsão atuarial.

A lei da oferta e procura gerada pela pandemia da Covid 19, trouxe aberrações em termos da elevação destes custos e, como é regra, no Brasil custos que sobem, dificilmente voltam aos preços normais depois de uma crise.

Um estudo realizado pela FenaSaúde, à época da pandemia, por volta da 2ª onda e iminência de uma terceira apurou que a Covid-19 causou um aumento de até 5.275% nos custos dos planos de saúde com medicamentos de intubação.

“Com internações mais prolongadas e a disparada dos preços de insumos, o custo da internação de Covid em UTI também avançou. Em janeiro, o atendimento aos pacientes com a doença consumia, em média, R$ 78,8 mil por pessoa internada, para as operadoras. Em abril, o custo saltou para R$ 100,6 mil, o que corresponde a um aumento de 27%.”

Um exemplo de medicamento, à época, vem do sedativo Midazolam. A quantidade média comprada para atender a amostra cresceu 762%, entre a média mensal de 2019 e a média dos três primeiros meses de 2021. O preço unitário do medicamento saltou 542%.

Já a ANS vem contribuindo com constantes inclusões de procedimentos, não previstos previamente nos cálculos atuariais dos planos, mas agregam custos que de alguma forma precisam ser bancados. No caso alguns medicamentos incluídos tem valores exorbitantes.

Não que seja contra a uma boa proteção da saúde, porém a balança tem que ser equilibrada entre todos os atores.

Está faltando aos planos uma atuação mais forte, sobre estas variáveis? Acredito que sim.